Nutre a alma com tua essência...

domingo, 17 de junho de 2018

Desabafo

Fazia tempo que não vinha por aqui, senti falta do meu cantinho e de me expressar como fazia antes. Aqui no meu refúgio eu posso falar, desabafar, desabar... É como estou me sentindo. Pareço aqueles casarões antigos que espera ansiosamente por uma reforma mas o dono nunca se sentia satisfeito por eu estar velho demais. Seria mais fácil trocar de casa e mesmo se eu derrubei algumas telhas em sua cabeça, ainda sirvo de morada, de abrigo...
Se sou peixe de água doce, não podes me jogar no mar aberto e salgado, eu morreria... Mas quero que saiba se um dia voltares aqui, que eu nadaria o tempo que precisasse pra te fazer feliz. Dói muito pensar em ser trocado, deixado de lado, vazio como um copo de bar após o último gole de cerveja. Quantas mudanças você viu em mim? Quantas mudanças você viu em você?
Eu tento ver teu sorriso  mas ele parece sair forçado, eu te vejo um milhão de vezes mas você não retribui mais... Aqui passa um rio de lágrimas por que todos os tiros que eu dei saíram pela culatra, todos os túneis que cavei para abrigar tua dor, desabaram e eu estou te amparando com os braços, que estão fracos. Preciso que você erga os seus e me ajude.
Minha língua parece não falar a sua, minhas atitudes parecem tão erradas diante da tua crença. Como conseguimos todo esse amor diante da guerra? Tem explicação? Ainda não temos nossa paz mas temos nossa união. Abaixe as armas. Bandeira branca. Chega de perdermos para nós mesmos.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Gigante



A liberdade te cai bem
E pode ser quem és
Por que a verdade existe
E é imensurável...

Teus passos vão bem
E o chão te sente firme
Por que o caminho é longo
E tu não desiste.

Teus sonhos voam alto
Teu coração é grande
E pra caber tanto amor,
Só sendo gigante.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Marinheiro



Tem que ser farol pra enxergar a praia.
Ser luz pra navegar na escuridão.
Ser mar pra conquistar ondas rasas.
Não ter medo de trovão...

Seu casco pode ser de ferro
Mas nada adianta se não há razão
Pra guiar o leme
E ter direção...

De vento em popa busco a paz
E estar em paz é dizer "não"
A quem te enche de dores
E leva destruição.

quarta-feira, 28 de março de 2018

Buracos.

Por quê tu passas tão depressa? Não há tempo para admirar tua essência, não há linhas para gravar na memória, teus mínimos detalhes... É tão fugaz que parece desnecessário mas aqui estou eu, passando por ti novamente, na tua estrada, com os teus buracos que me sacolejam pra cá e pra lá.
Quem contará tuas histórias quando morreres? Terás vivido uma vida de amor ou só terás passado por aqui?

segunda-feira, 26 de março de 2018

A cura.



Arrisquei em te mandar uma mensagem e os meus dedos travaram, as mãos ficaram trêmulas esperando tua resposta chegar. Cada segundo era uma eternidade que me sugava as forças e a vista embaralhava... Eu não sabia ao certo o que dizer, não saberia o que esperar... Você não iria embora assim, após ter tirado os chinelos para ficar. Você não colocaria nossa felicidade numa mala e a esqueceria em cima do guarda roupa.
Não vamos perder  nosso vôo e nem nossas taças de vinho prometidas no inverno de qualquer cidade ao Sul. Não nos perderemos no caminho, acredito que aí dentro há uma chama que fará fogo e o gelo derreterá. O tempo será a nossa cura.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Segundo dia.


Sonhei com você abrindo a porta da nossa casa, parecia feliz de verdade. Essa sensação durou alguns segundos após abrir os olhos, até perceber que a cama estava vazia. Queria correr pra ti naquele instante, te abraçar e não te soltar mais... Dizer que és o amor da minha vida. 
Já disse tantas vezes mas o problema é que o amor não é tudo, tem particularidades que somam muito mais que isso. Eu só queria ouvir que estou errado, que foi só um desentendimento e que  no segundo dia, iríamos nos ver depois do trabalho. Os nossos planos seriam cumpridos e a vida seria curta pro que viveríamos.

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Buraco Negro



Senti falta da tua mensagem ao acordar, do teu modo de escrever... Senti raiva de mim por não ter conseguido te cativar, por não ter tido mais força e coragem. Senti o peso das tuas palavras nas costas, senti o teu descaso com a minha tentativa de consertar as coisas, senti tua irritação.
Senti vontade de chorar, chorei até secar... Me ocupei no trabalho mas você não saía de mim. Me fez desmoronar como um castelo de areia, despejando seus argumentos como ventania na praia.
Vai ser difícil não te ver hoje, nem amanhã, nem depois...  No meu peito se abre um buraco negro que suga toda a luz. Só você pode me tirar da sombra, o tempo parou por aqui.